22 de fevereiro de 2024

Tumores ginecológicos

O câncer de colo do útero é o terceiro tipo mais prevalente nas mulheres brasileiras, sendo responsável por 17 mil novos casos até 2025, segundo o Inca. Este tipo de câncer entra na categoria de tumores ginecológicos, mas não é o único que merece atenção. Conheça os tipos da doença e como preveni-los


Por Redacao 019 Agora Publicado 03/12/2023
 Tempo de leitura estimado: 00:00

O câncer é o principal problema de saúde pública no mundo, figurando como uma das principais causas de morte e, consequentemente, uma das principais barreiras para a longevidade com qualidade de vida.

Na maioria dos países, corresponde à primeira ou segunda causa de morte prematura, antes dos 70 anos. Para o Brasil, a estimativa para o triênio de 2023 a 2025 aponta que ocorrerão 704 mil casos novos de câncer. Esses dados foram divulgados, neste ano, pelo Inca (Instituto Nacional do Câncer).

Nas mulheres, o câncer de colo do útero é o terceiro tipo mais prevalente, sendo responsável por 17 mil novos casos até 2025. Este tipo de câncer entra na categoria de tumores ginecológicos, mas não é o único que merece atenção.

Recentemente, a atriz Marieta Severo, de 76 anos, revelou seu diagnóstico de câncer do endométrio. A artista contou que descobriu a doença em estágio inicial, sendo possível começar o tratamento antes de qualquer complicação. Contudo, ela optou pela retirada do útero e dos ovários para não haver novas manifestações da doença.

“Entre todas as áreas que abrangem a saúde da mulher, os cânceres ginecológicos exigem atenção especial e precisamos falar mais sobre eles. Sangramento vaginal anormal, dores pélvicas, inchaço abdominal, lesões na vagina, como corrimento fétido e feridas, e perda de peso sem causa aparente, são sinais de alerta”, explicou o médico Marcos Maia, especialista em ginecologia oncológica. “Mas é preciso deixar claro que os sintomas desses tumores variam muito de acordo com o tipo e a localização, então é fundamental as mulheres ficarem atentas a esses sintomas e, se apresentar um ou mais, procurarem um especialista”, complementou.


Cerca de 30 mil mulheres no Brasil recebem o diagnóstico de algum tipo de câncer ginecológico todos os anos, ainda de acordo com o Inca. Outra medida preventiva indispensável, de acordo com Marcos Maia, é manter os exames ginecológicos em dia

“Ainda que não sintam nada, as mulheres precisam fazer os exames regularmente. Esse hábito contribui, inclusive, para detectar a doença em sua fase inicial, o que aumenta consideravelmente as chances de cura e de um tratamento menos invasivo”, destacou o médico.

Por isso, é importante falar sobre essa categoria da doença e ampliar o conhecimento da população feminina sobre os cânceres ginecológicos.

Conheça os principais:

Câncer de Colo do Útero: A Importância da Vacinação e Rastreamento


O vírus HPV é um dos principais fatores de risco para o câncer de colo do útero. A vacinação contra o vírus é uma ferramenta valiosa na prevenção. Além disso, exames regulares, como o Papanicolau, são essenciais para detectar alterações nas células cervicais antes que se tornem cancerosas.

Câncer de Ovário: Silencioso e Desafiador

Muitas vezes chamado de “assassino silencioso”, o câncer de ovário é conhecido por sua natureza insidiosa, apresentando poucos sintomas perceptíveis nas fases iniciais. Consultas ginecológicas regulares e a compreensão dos sinais de alerta são cruciais para a detecção precoce.

Câncer de Endométrio: Atentos aos Sinais Precoces


Este tipo de câncer afeta o revestimento do útero e, geralmente, é diagnosticado em estágios iniciais devido aos sinais, como sangramento anormal. A atenção a qualquer irregularidade menstrual e consultas ginecológicas regulares são vitais.

Câncer Vulvar: Conhecendo o Nosso Corpo


Menos comum, mas não menos importante, o câncer vulvar também merece destaque. Conhecer o próprio corpo e estar ciente de qualquer alteração na região vulvar é fundamental para a detecção precoce. Isso porque, grande parte das mulheres com câncer vulvar não apresenta sintomas mas há indicações, como coceira que não melhora, uma pele mais espessa e mais clara do que a pele normal em torno da região vulvar ou até mesmo colorações (vermelho, rosa ou mais escura) diferentes da pele ao redor.

Como essas alterações são, muitas vezes, provocadas por outras condições clínicas, algumas mulheres não percebem que podem ter uma doença grave.

Câncer de Vagina: Raro e Não Menos Importante

O carcinoma vaginal, uma forma rara de câncer, costuma originar-se nas células que revestem a vagina, predominantemente em mulheres com idade acima de 60 anos. Seus sintomas incluem ocorrência de sangramento vaginal atípico, especialmente após atividade sexual ou em mulheres na fase pós-menopausa.

O HPV, transmitido pelo contato sexual, é a principal causa deste tipo de tumor. Ele pode causar alterações genéticas nas células da região de forma que elas se tornem células cancerígenas.


HPV é uma das principais causas de câncer ginecológico


O papilomavírus humano (HPV), transmitido pelo contato sexual, é a principal causa dos cânceres de colo do útero, vulva e vagina. Ele pode causar alterações genéticas nas células da região de forma que elas se tornem células cancerígenas.

No Sistema Único de Saúde (SUS), o imunizante está disponível para meninas e meninos de 9 a 14 anos. Para adultos, só na rede particular. Há também a opção da vacina NONAvalente, que protege de nove sorotipos do HPV. A vacina do SUS é a quadrivalente e protege contra somente quatro sorotipos, que são os principais na gênese de doenças associadas ao HPV (6, 11, 16 e 18).

Em todos os casos, a informação e a educação são as melhores aliadas na prevenção. Consultas médicas regulares, exames de rastreamento e a adoção de um estilo de vida saudável são passos essenciais para garantir a saúde ginecológica. A conscientização não apenas salva vidas, mas também capacita as mulheres a cuidarem de sua saúde de maneira proativa e informada.

Conscientização para prevenção dos cânceres ginecológicos

A importância do Ginecologista Oncológico para o tratamento


Uma vez identificados, esses tipos de cânceres podem ser tratados por um especialista em ginecologia oncológica, capacitado para exercer ações e procedimentos de alta complexidade – tais como os cirúrgicos – bem como acompanhar a paciente em seu tratamento.

“O tratamento dos cânceres ginecológicos vão desde um tratamento cirúrgico, como também quimioterapia, radioterapia e até imunoterapia, uma modalidade bem moderna e que dá bons resultados para alguns tipos”, explicou o ginecologista oncológico, Marcos Maia.

Ainda de acordo com o especialista, o Ginecologista Oncológico tem a capacidade técnica de prescrever o melhor tratamento. Às vezes, é indicada uma quimioterapia antes da cirurgia, como nos casos de câncer de ovário. Outras vezes, já vai direto para a cirurgia. Em outros casos, o procedimento cirúrgico nem é indicado a princípio. A paciente pode se beneficiar muito com apenas radio e/ou quimioterapia.

“O tratamento envolve muitas coisas, inclusive o estadiamento da doença. Trata-se da extensão do tumor, o perfil clínico da paciente, se ela está bem de saúde, se tem alguma comorbidade. Mas tudo isso é conversado com ela e, às vezes, com a família também, para que haja a indicação do melhor protocolo”, finalizou o especialista.