27 de maio de 2024

Herpes ocular: apesar de rara, doença pode levar à cegueira se não for tratada a tempo

O vírus pode ficar incubado no organismo desde a primeira infância, sem que a pessoa nunca saiba quando foi contaminada


Por Redacao 019 Agora Publicado 20/11/2023
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Se engana quem pensa que o herpes respeita barreiras, ficando restrito aos lábios ou à região genital. Causada pelo vírus do herpes simples (Herpes Simplex Virus, HSV), a doença também pode se desenvolver em outras partes ainda mais sensíveis do corpo, como os olhos.

Ao serem infectados, pode ocorrer necrose aguda da retina – quando há um processo infeccioso ou inflamatório que destrói e causa morte do tecido retiniano (aquela parte do olho que transforma luz em estímulo nervoso e o envia ao cérebro), levando a pessoa à cegueira.

Herpes ocular

Especialista em córnea do H.Olhos – Hospital de Olhos e Professora da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Dra. Denise Freitas explica que, em geral, o herpes a infecção ocorre na infância, por contato direto com vírus.

Por exemplo, alguém que esteja com herpes labial ativo e beija outra pessoa, acaba se infectando. O vírus pode não se manifestar clinicamente, mas fica latente (disfarçado) no corpo, por longo período. Durante esse tempo, e por motivos variados, que incluem alteração da resposta imunológica de proteção, o vírus latente pode iniciar sua multiplicação, causando a doença que é considerada uma recorrência e, nos olhos, o contágio pode aparecer nas pálpebras que, por aproximação, acaba afetando o olho”.

Doença oportunista

De acordo com a médica, a contaminação pelo herpes independe de onde ele está localizado no corpo, mas como o olho está na região do rosto, o herpes facial/labial acaba sendo o mais frequentemente relacionado no contágio.

Além disso, embora ninguém esteja imune ao vírus, algumas pessoas estão mais predispostas à doença, como os pacientes atópicos (alérgicos), principalmente os mais severos e, também, os pacientes imunodeprimidos.

A identificação da doença é feita pelo exame clínico oftalmológico. Excepcionalmente, são necessários exames para confirmar o diagnóstico”, diz a especialista.

É preciso se atentar aos sintomas da doença, pois nem sempre o herpes simples tem manifestação clínica (quando aparecem os primeiros sinais), podendo estar presente no organismo desde a primeira infância, sem que a pessoa nunca saiba quando foi contaminada pelo vírus. Os primeiros sintomas podem aparecer na forma de vesículas na pele – aquelas pequenas bolhinhas com líquido em seu interior, em geral, causando muita coceira local.

No olho, as vesículas podem acometer as pálpebras e por contiguidade (aproximação) a córnea.

A infecção ativa na córnea causa a perda da sua transparência, sendo algumas vezes necessário realizar um transplante de córnea, já que a infecção do herpes na retina causa sua necrose com consequente perda da visão”, comenta a Dra. Denise.

Tratamento possível

Antes de explicar como é o tratamento, a Dra. Denise ressalta que a doença herpética (herpes) é tratável, embora não seja curável. Isso significa que, uma vez que se contrai o herpes, ele ficará para sempre no organismo. A dúvida é se o vírus vai ou não causar infecção, e se ela será recorrente.

Pelo fato do olho perder sua transparência, nos casos de córnea, ou cicatrizar irreversivelmente, nos casos de retina, quando há a contaminação pelo herpes nestes tecidos, o tratamento deve ser agressivo e iniciado o mais rápido possível. Quanto mais tempo o vírus fica no tecido, maior a perda da visão”, alerta Dra. Denise.

A córnea pode ser inicialmente tratada com remédio antiviral tópico. Com aplicação diretamente no olho, na forma de colírios e/ou pomadas. Já nos casos mais graves e agressivos, o tratamento deve ocorrer com antiviral oral. Porém, se houver acometimento da retina, a intervenção deve ser sempre sistêmica, com medicação oral. Ou até mesmo endovenosa, com internação do paciente, dependendo da gravidade do acometimento.