13 de junho de 2024

Dia Nacional de Combate à Cefaleia: Dores de Cabeça Podem Estar Ligadas a Disfunções na Mandíbula

Problema atinge 1 bilhão de pessoas em todo o mundo; especialista do Vera Cruz Hospital, em Campinas (SP), destaca a disfunção temporomandibular (DTM) como uma das causas


Por Redacao 019 Agora Publicado 19/05/2024
 Tempo de leitura estimado: 00:00
dor-de-cabeça-cefaleia
Problema atinge 1 bilhão de pessoas em todo o mundo; especialista do Vera Cruz Hospital, em Campinas (SP), destaca a disfunção temporomandibular (DTM) como uma das causas

No dia 19 de maio, o Dia Nacional de Combate à Cefaleia tem como objetivo alertar a população sobre as diferentes causas das dores de cabeça, que podem ter mais de 200 origens diferentes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cefaleia afeta 1 bilhão de pessoas no mundo e é a sexta doença crônica que mais incapacita. Uma das causas que merece destaque é a disfunção temporomandibular (DTM).

Cefaleia, dores de cabeça e DTM

A cirurgiã bucomaxilofacial do Vera Cruz Hospital, em Campinas (SP), Laura D’Ottaviano, explica que a cefaleia relacionada à DTM tem características específicas.

Cirurgiã-bucomaxilofacial-Laura-D-Ottaviano
Cirurgiã bucomaxilofacial Laura D´Ottaviano – Foto: Matheus Campos

“Geralmente, é uma dor na região das têmporas, bilateral, e em algumas situações pode ser unilateral. Não chega a ser uma dor incapacitante como a enxaqueca, mas prejudica a qualidade de vida do paciente. É uma dor persistente que pode piorar em momentos específicos, necessitando de medicamentos. Essa dor é causada pela contração exagerada do músculo temporal, envolvido diretamente na mastigação,” explica Laura.

Sintomas da DTM

Pacientes com DTM podem apresentar dificuldade para movimentar a boca, abertura além do limite normal ou movimentação dolorosa, afetando funções como mastigação, deglutição, fala e respiração. Além da dor, podem perceber ruídos anormais como estalidos ou crepitação ao movimentar a articulação temporomandibular (ATM).

Fatores Predisponentes

Segundo a especialista, o principal fator predisponente da DTM está ligado à qualidade dos ligamentos do paciente.

“O ligamento funciona como um elástico sustentando a ATM. Se é forte, a articulação se sustenta mesmo com pequenos problemas. Quando o ligamento é frouxo, a instabilidade ocorre mais facilmente,” afirma Laura.

Bruxismo

O bruxismo, que é o ato de apertar ou ranger os dentes involuntariamente, também está associado à DTM. Laura explica que o bruxismo é desencadeado por um mecanismo cerebral ligado às emoções.

“Em períodos de ansiedade ou tensão, os surtos de bruxismo são mais frequentes. O problema de apertar os dentes é que o ser humano não foi feito para ficar com os dentes encostados continuamente, apenas durante a mastigação. Isso pode causar dor de cabeça e dores na face devido à contração excessiva da mandíbula,” diz Laura.

Diagnóstico

A DTM pode ocorrer em qualquer idade, sendo mais prevalente nas mulheres. O diagnóstico inclui anamnese, exame clínico e exames complementares. A anamnese envolve um conjunto de perguntas para entender a saúde geral do paciente e as características da dor. O exame clínico inclui palpação da musculatura, observação da cavidade oral e auscultação de ruídos anormais.

Tratamento

O tratamento da DTM varia conforme o tipo de disfunção e a idade do paciente. Laura destaca que não existe um tratamento generalizado, mas há diversos recursos como placas de mordida, toxina botulínica e suporte multiprofissional, incluindo fisioterapeutas, fonoaudiólogos e psicólogos.

“Com o tratamento adequado, a pessoa pode ter uma vida normal e se livrar do incômodo das dores de cabeça. É importante que o paciente conheça seu corpo e tenha o acompanhamento apropriado para controlar a dor desencadeada pela DTM,” conclui Laura.