27 de outubro de 2020

Como evitar um infarto

Cardiologista alerta que problema também pode afetar pessoas abaixo dos 40 anos


Por Redacao 019 Agora Publicado 21/09/2020

O infarto é a principal causa de morte no Brasil. E para evitar um infarto e outras doenças cardiovasculares, no dia 29 de setembro é celebrado o Dia Mundial do Coração. A data foi criada para destacar a importância de cuidar desse órgão ao longo de toda a vida.

O alerta para evitar um infarto e outras doenças cardiovasculares chega no mesmo mês em que duas figuras públicas de menos de 35 anos morreram em decorrência de paradas cardíacas enquanto realizavam suas atividades.

No dia 08, o triatleta catarinense Felipe Manente de apenas 31 anos morreu repentinamente durante um treino na piscina. Quatro dias depois, o músico de 34 anos Breno Braga, baterista da banda mineira Lagum, sofreu um mal súbito logo depois de um show e não resistiu.

Apesar de detalhes não terem sido divulgados, as duas perdas ocorridas na mesma semana chamam a atenção para um problema cada vez mais comum, o aumento do número de mortes entre jovens por problemas cardíacos. 

PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO BRASIL

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no Brasil. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, é registrada no país uma perda a cada 90 segundos.

E, segundo dados do Ministério da Saúde, os últimos sete anos viram um aumento de 13% nos casos de infarto em pessoas com menos de 30 anos. 

Dr. Fabrício Assami Borges, cardiologista e coordenador médico da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Santa Paula, diz que o quadro de infarto em pessoas com menos idade tendem a ser mais graves. “No entanto, quando o corpo é mais jovem, ele tem maior capacidade de se recuperar.”

O QUE É O INFARTO

O infarto agudo do miocárdio é a lesão ou morte das células do músculo do coração em decorrência da falta de oxigenação. Ele acontece pela obstrução das artérias e interrupção passagem do sangue ou por um desequilíbrio entre a oferta e demanda de oxigênio. Na maioria dos casos, a obstrução é causada por um coágulo decorrente de uma placa de gordura (ateroma) formada na parede interna das artérias.

O cardiologista afirma que o problema tem afetado cada vez mais jovens por conta de mudanças no estilo de vida. “Atualmente, problemas crônicos de saúde que costumavam ser associados à maturidade já começam a aparecer mais cedo, como obesidade, hipertensão e diabetes. Isso se deve a fatores como piora da alimentação e sedentarismo”. Estresse, tabagismo, consumo exagerado de bebidas alcoólicas e uso de drogas ilícitas aumentam os riscos para o coração. Entre os adultos até 40 anos também desempenham papel importante a genética e os problemas cardiovasculares congênitos.

PREVENÇÃO DEVE COMEÇAR CEDO

Por isso, a prevenção para evitar um infarto deve começar cedo com a adoção de hábitos de vida saudáveis. O especialista alerta que é fundamental, a pessoas de todas as idades, realizar atividades físicas regulares, manter uma alimentação equilibrada, controlar o peso, pressão arterial e níveis de glicemia e de colesterol, além de manejo adequado dos níveis de estresse. 

“Também é preciso chamar a atenção para a necessidade de se submeter check ups regulares desde o início da vida adulta. Com exames como eletrocardiograma e ecocardiograma, feitos de forma preventiva antes da apresentação de qualquer sintoma, é possível identificar precocemente cardiopatias congênitas e evitar que elas levem a episódios graves e até fatais”, explica. Para pessoas com história familiar de doença cardíaca, os exames são ainda mais importantes.